VEJA NOSSOS ÁLBUNS DE FOTOS NO NOSSO FACEBOOK: facebook.com/gruporenascercamocim

sábado, 3 de julho de 2010

Gotas de cura interior A cura interior é um processo


1. A cura interior, muito mais do que um objetivo a ser alcançado ou uma meta a ser conquistada, é conseqüência do nosso jeito de viver. Cura interior é fruto, precisa ser cultivada. E, como vivemos num mundo desértico e árido, precisamos ter a sabedoria de gotejá-la, todos os dias.

2. Na vida, precisamos aprender a celebrar as vitórias, pequenas e grandes. Cada passo vivido precisa ser degustado, saboreado, festejado. Não podemos ficar esperando para celebrar somente as grandes vitórias. Aliás, sem a celebração das pequenas conquistas, perde-se o sabor das grandes vitórias. Cada pequena vitória celebrada é semente para as grandes vitórias almejadas.

3. O pessimismo do mundo moderno acaba contaminando nosso coração. Vamos nos tornando especialistas em ressaltar o negativo. Alimentamos o negativo através das notícias e das conversas. Enfocamos o negativo com lente de aumento e com isso nos tornamos especialistas naquilo que não presta. É preciso educar-se para as conquistas, para o belo, para o positivo. A celebração de cada etapa vivida e conquistada nos ajuda nesse processo.

4. A celebração das vitórias tem também um aspecto muito importante, que precisa ser ressaltado cada vez mais: aprender a compartilhar nossas conquistas. Vitória que não é compartilhada não pode ser chamada de vitória. A celebração das conquistas e vitórias ajuda a nos preparar para vencer novos desafios. Vitória celebrada é semente de novas vitórias.

5. Feliz aquele que tem com quem compartilhar suas tristezas e dores. Mais feliz ainda aquele que tem com quem compartilhar suas alegrias. O amigo verdadeiro é aquela pessoa diante de quem podemos nos revelar por inteiro. Muita gente tem medo de partilhar suas vitórias – aliás, pode nem mesmo ter alguém diante de quem fazê-lo. O outro parece sempre ser uma ameaça. Como vivemos numa constante competição, parece que ser feliz ofende aos outros. Acreditar na felicidade é um bom caminho para encontrá-la, é uma trilha segura para construí-la.

Rompa com a mentira no seu relacionamento

Omitir a verdade pode nos custar caro

Imagem de DestaqueVocê pode imaginar quão difícil é uma ruptura num relacionamento. É só olhar como as separações são doloridas e deixam marcas profundas nos cônjuges e nos filhos. Muitas dessas separações conjugais são frutos do pecado que casais acabam vivendo a dois: situações de mentira, desregramentos, afastamento de Deus, agressividade; desrespeito; palavras de ofensa um para com o outro e assim por diante.

É preciso romper com o pecado e não romper com o relacionamento. O pecado precisa ser extirpado da nossa relação. Tudo que corrompe aquilo que Deus criou por amor não pode mais fazer parte de nossa vida. Vejo que o pecado mais sutil e o que mais destrói matrimônios é a mentira. Mentir, enganar o outro ou até omitir alguma coisa pode custar caro, porque fere a dignidade da outra pessoa e põe em risco a confiança e a fidelidade. Escolher o caminho de não falar a verdade, mesmo que seja em pequenas coisas, é escolher pela traição da confiança que o cônjuge depositou em você. Isso mesmo! A mentira já é traição!

Jesus disse: "E a verdade vos libertará" (cf. João 8,32b). E é nesta perpectiva que os nossos relacionamentos podem amadurecer e tornar-se fecundos: quando uma pessoa pode confiar na outra, certa de que o (a) outro (a) está sempre lhe dizendo a verdade, que nada ficando às escuras, escondido, porque isso não é bom.

Para isso o primeiro passo é se decidir pela verdade, pela sua verdade, pois é nela que Deus pode agir e que as coisas vão tomando o rumo certo e se contrói uma vida feliz.

Fica a dica de hoje: rompa com o pecado da mentira no seu relacionamento. Decida-se por falar e viver sempre a partir da verdade, na luz, na graça de Deus.

Que o Senhor o abençoe neste propósito!

 
Diácono Paulo Lourenço
fonte: CN

Os girassóis e nós

 por: pe. Fábio de Melo

Eles são submissos. Mas não há sofrimento nesta submissão. A sabedoria vegetal os conduz a uma forma de seguimento surpreendente. Fidelidade incondicional que os determina no mundo, mas sem escravizá-los.

A lógica é simples. Não há conflito naquele que está no lugar certo, fazendo o que deveria. É regra da vida que não passa pela força do argumento, nem tampouco no aprendizado dos livros. É força natural que conduz o caule, ordenando e determinando que a rosa realize o giro, toda vez que mudar a direção do Regente.

Estão mergulhados numa forma de saber milenar, regra que a criação fez questão de deixar na memória da espécie. Eles não podem sobreviver sem a força que os ilumina. Por isso, estão entregues aos intermitentes e místicos movimentos de procura. Eles giram e querem o sol. Eles são girassóis.

Deles me aproximo. Penso no meu destino de ser humano. Penso no quanto eu também sou necessitado de voltar-me para uma força regente, absoluta, determinante. Preciso de Deus. Se para Ele não me volto corro o risco de me desprender de minha possibilidade de ser feliz. É Nele que meu sentido está todo contido. Ele resguarda o infinito de tudo o que ainda posso ser. Descubro maravilhado. Mas no finito que me envolve posso descobrir o desafio de antecipar no tempo, o que Nele já está realizado.

Então intuo. Deus me dá aos poucos, em partes, dia a dia, em fragmentos.

Eu Dele me recebo, assim como o girassol se recebe do sol, porque não pode sobreviver sem sua luz. A flor condensa, ainda que de forma limitada, porque é criatura, o todo de sua natureza que o sol potencializa.

O mesmo é comigo. O mesmo é com você. Deus é nosso sol, e nós não poderíamos chegar a ser quem somos, em essência, se Nele não colocarmos a direção dos nossos olhos.

Cada vez que o nosso olhar se desvia de sua regência, incorremos no risco de fazer ser o nosso sol, o que na verdade não passa de luz artificial.

Substituição desastrosa que chamamos de idolatria. Uma força humana colocada no lugar de Deus.

A vida é o lugar da Revelação divina. É na força da história que descobrimos os rastros do Sagrado. Não há nenhum problema em descobrir nas realidades humanas algumas escadarias que possam nos ajudar a chegar ao céu. Mas não podemos pensar que a escadaria é o lugar definitivo de nossa busca. Parar os nossos olhos no humano que nos fala sobre Deus é o mesmo que distribuir fragmentos de pólvora pelos cômodos de nossa morada. Um risco que não podemos correr.

Tudo o que é humano é frágil, temporário, limitado. Não é ele que pode nos salvar. Ele é apenas um condutor. É depois dele que podemos encontrar o que verdadeiramente importa. Ele, o fundamento de tudo o que nos faz ser o que somos. Ele, o Criador de toda realidade. Deus trino, onipotente, fonte de toda luz.

Sejamos como os girassóis...

Uma coisa é certa. Nós estamos todos num mesmo campo. Há em cada um de nós uma essência que nos orienta para o verdadeiro lugar que precisamos chegar, mas nem sempre realizamos o movimento da procura pela luz.

Sejamos afeitos a este movimento místico, natural. Não prenda os seus olhos no oposto de sua felicidade. Não queira o engano dos artifícios que insistem em distrair a nossa percepção. Não podemos substituir o essencial pelo acidental. É a nossa realização que está em jogo.

Girassol só pode ser feliz se para o Sol estiver orientado. É por isso que eles não perdem tempo com as sombras.

Eles já sabem, mas nós precisamos aprender.

Igreja em Araras é elevada a Basílica Menor


A Igreja Matriz Nossa Senhora do Patrocínio, de Araras (SP), vai ser elevada à categoria de Basílica Menor no próximo dia 15 de agosto. Este título é concedido pela Santa Sé a templos católicos que sobressaiam na diocese pelo zelo à vida litúrgica e pastoral e que recebam grande número de fieis nas celebrações.
A missa de elevação a Basílica Menor será no dia 15 de agosto, dia de Nossa Senhora do Patrocínio, padroeira de Araras. Pelo fato do título ser concedido pelo Vaticano, a Basílica Menor está diretamente ligada a Roma e ao papa Bento XVI. Ou seja, a Basílica é um "pedaço do Vaticano" na cidade.
Para a diocese de Limeira, a elevação da Igreja Matriz de Araras a Basílica é um fato histórico, já que esta é sua primeira igreja a receber tal distinção na diocese. A mais próxima de Araras é a Basílica do Carmo, em Campinas (SP).
Entre os documentos analisados pela Santa Sé estão fotos das celebrações realizadas na igreja, bem como de detalhes do templo, que precisa ser reconhecido como monumento histórico e artístico. A Igreja Matriz foi eleita pela população da cidade como uma das sete maravilhas de Araras. Sua fachada é réplica idêntica da Basílica Maior São João do Latrão, de Roma.
Autor: CNBB -

sexta-feira, 2 de julho de 2010

ASSUMAMOS NOSSOS POSTOS

Por: RCC fortaleza
 
ASSUMAMOS NOSSOS POSTOS
A RCC é uma estratégia de Deus para estes tempos, pois necessitamos de uma nova civilização, que possa unir todos os povos e raças em torno de um só Deus, um só pastor e um só rebanho, a CIVILIZAÇÃO DO AMOR. E só será possível com a cultura de pentecostes, cultura é um jeito de ser, de falar,vestir, de se relacionar tudo a partir do Amor de Deus.

Nós RCC precisamos passar desta fase APOLOGETICA e assumir nossos postos, não precisamos mais ficar nos justificando o que fazemos ou falamos para assim sermos acolhidos e reconhecidos como Igreja, pois o somos, veja o que disse João Paulo II sobre nós:

Sim, a Renovação no Espírito pode considerar-se como um dom do Espírito Santo para a Igreja neste nosso tempo. Nascido na Igreja para a Igreja, o vosso é um Movimento em que, à luz do Evangelho, se experimenta o encontro vivo com Jesus, de fidelidade a Deus na Oração pessoal e comunitária, de escuta confiante na sua Palavra, de redescoberta vital dos Sacramentos, mas também de coragem nas provações e de esperança nas tribulações.

Erramos muito com nossas palavras; mas por quê?


A sabedoria do silenciar -Até os insensatos quando se calam passam por sábios

Sócrates, o sábio filósofo grego, dizia que a eloquência é, muitas vezes, uma maneira de exaltar falsamente o que é pequeno e de diminuir o que é, de fato, grande. A palavra pode ser mal-usada, mascarada e empregada para a dissimulação. É por isso que os sábios sempre ensinaram que só devemos falar alguma coisa “quando as nossas palavras forem mais valiosas que o nosso silêncio”. A razão é simples: nossas palavras têm poder para construir ou para destruir. Elas podem gerar a paz, a concórdia, o conforto, o consolo, mas podem também gerar ódio, ressentimento, angústia, tristeza e muito mais. “Mesmo o estulto, quando se cala, passa por sábio, por inteligente, aquele que fecha os lábios” (Pr 17,28).
O silêncio é valioso, sobretudo quando estamos em uma situação difícil, quando é preciso mais ouvir do que falar, mais pensar do que agir, mais meditar do que correr. Tanto a palavra quanto o silêncio revelam o nosso ser, a nossa alma, aquilo que vai dentro de nós. Jesus disse que “a boca fala daquilo que está cheio o coração” (cf. Lc 6,45). Basta conversar por alguns minutos com uma pessoa que podemos conhecer o seu interior revelado em suas palavras; daí a importância de saber ouvir o outro com paciência para poder conhecer de verdade a sua alma. Sem isso, corremos o risco de rotular rapidamente a pessoa com adjetivos negativos.

A vida é feita de escolhas!

Fonte: Revolução Jesus - Canção Nova

Eleição é uma escolha! É dar a alguém liberdade para nos representar durante alguns anos. Quem é jovem sabe como é difícil escolher, pois há entre nós uma pluralidade de possibilidades. Mas jovem que é jovem decide! Faz algo, não fica parado, mesmo que mude de escolhas quantas vezes for necessário.
Por isso eleição tem tudo haver com a gente, uma vez que eleger é escolher!
Para escolher bem vale à pena procurar informação sobre os ideais e projetos dos candidatos, perceber se verdadeiramente ele representará as nossas escolhas, se ele desempenhará as funções que nos representa os nossos ideais, sonhos, o nosso caráter. Só não dá é para fingir que não temos nada a ver com isso.
Edmund Burke, um filosofo inglês do século XVIII falando sobre a política já afirmava: “Para o triunfo do mal, basta que os bons não façam nada!
Não dá para virar o rosto para as eleições, e dizer que não temos nada a ver com isso. Lembro-me da primeira vez que votei, como foi bom poder escolher por aquilo que acreditava ser a esperança de um país melhor, ali estava o meu caráter, a minha decisão, os meus sonhos, a minha juventude.
Portanto não dá para não escolher, uma vez que decidir diz da gente!
Quem não escolhe, preferi continuar que os outros façam escolhas para ele, isto é deixar de pensar e assumir as conseqüências de um futuro medíocre. É dar a possibilidade para que os maus triunfem!
Faça alguma coisa! Eleições têm tudo a ver com a gente!
Vamos fazer o que nos é inerente: Decidir para o triunfo do bem!
Faça alguma coisa! Eleições e nós jovens temos tudo a ver basta apenas fazer o que nos é inerente, escolher bem para  o triunfo do bem!
Tamu junto
Ricardo Gaioti

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Rede de Intercessão do mês - Julho de 2010

Rede Nacional de Intercessão
Celebrando Pentecostes
Julho de 2010
“Unidos pela sua Palavra reconstruiremos as muralhas...”
“Proclama a Palavra, anuncia a Boa Notícia!” (cf. 2 Tim 4,1-5)”

Este mês de julho estamos na expectativa em participarmos do grande momento da RCC, o Congresso Nacional que estará acontecendo de 14 a 18 de julho em Belo Horizonte (MG). Proclamar a palavra e anunciar a boa nova, isto é, anunciar Jesus Cristo como Senhor e Salvador de nossas vidas; deve ser o “combustível” espiritual da vida do intercessor.
Estamos vivendo tempos nos quais necessitamos primeiro viver o que a palavra nos revelar e “provocar”, com suas exortações, edificações, repreensões, etc. deixando que ela, pela ação do Espírito Santo, transforme nossa mentalidade, conceitos e temperamentos, para que Cristo se torne tudo em nós!
 Viver a Palavra é, em primeiro lugar, acolhe-la. Essa Palavra que realiza milagres e nos coloca no caminho de conversão.

Em Jesus temos a vitória!

fonte: CN
Estamos em tempos de guerra! Há muita confusão no mundo; controvérsias na própria Igreja de Deus. A razão disso tudo é a seguinte: o inimigo de Deus sabe que seu tempo está acabando e que Jesus se aproxima a passos largos. Eis a razão de toda sua artimanha para estragar a obra de Deus... a começar por nós. Tudo o que ele tem feito no mundo é devido a seu desespero: ele sabe que pouco tempo lhe resta.

E qual deve ser nossa atitude? Se nos entregamos a Cristo, servindo-Lhe e lutando com Ele contra o maligno, temos n'Ele a vitória. Ao contrário: se andamos pelos caminhos do mundo, seguindo a carne, damos a vitória ao inimigo de Deus. Não pense que precisamos ser maus, desonestos, impuros, adúlteros e beberrões para ser do inimigo e trabalhar para ele. Basta largar Jesus. Basta isso! E o inimigo vem com tudo para nos abocanhar. Eis o segredo: nós damos a vitória Áquele a quem escolhemos, a quem seguimos, a quem servimos.

O grande mal é querer ser de Deus e do mundo ao mesmo tempo. Grande insensatez! Quanto ao mundo, estamos nele. Quanto ao Senhor, pertencemos a Ele.

É preciso decidir, com urgência, com quem ficar. Se de um lado, Deus nos atrai, de outro o inimigo nos arrasta. “A quem quereis servir?”

Mais do que nunca, devemos ser inteira e exclusivamente do Senhor. Não dá para ficar com um pé aqui e outro lá. Eis nossa luta: “Tende coragem, filhos, e clamai a Deus, pois aquele que vos feriu lembrar-se-á de vós. Assim como tivestes o propósito de vos afastar de Deus, depois de convertidos, multiplicai vossos esforços para procurá-lo!” (Baruc 4,27-28).

(Trecho do livro "Considerai como crescem os lírios" de Monsenhor Jonas Abib

A copa e as chuvas

 Fonte CNBB

Nestes tempos de Copa, as atenções todas se voltam para a África do Sul, onde se realizam em dias diversos, os jogos de vários países que estão participando. Pela facilidade moderna da televisão, tanto neste ano, como nos anteriores, o mundo inteiro pode assistir a todos os jogos com entusiasmo e até julgar a capacidade de cada jogador.
Nestes dias, o Brasil parou, os bancos fecharam; o Congresso (que já não prima pelas suas obrigações) encerrou a tempo, as sessões; as escolas decretaram feriado o dia do jogo; o Poder executivo nacional, cujo Presidente todo dia fala em termos futebolísticos, também fez feriado. Até as igrejas tiveram de mudar os horários dos atos religiosos. Não foi um feriado; foram férias extra, como “comemoração patriótica”. Nem o carnaval consegue este assombroso descanso recreativo.

A Igreja contará com um novo santo e 35 novos beatos

Dom Luigi Guanella / Cecilia Eusepi
.- O Papa Bento XVI autorizou esta manhã a Congregação para a Causa dos Santos a promulgar os decretos referentes à canonização do sacerdote italiano Luigi Guanella, a beatificação de um sacerdote e três religiosas italianas, e 31 mártires da Espanha, Alemanha, Hungria e França.

Ao receber o Arcebispo Angelo Amato, S.D.B., prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, o Papa autorizou a promulgação dos decretos sobre os milagres atribuídos à intercessão de:

Beato Luigi Guanella, italiano, (1842-1915), sacerdote, fundador da Congregação dos Servos da Caridade e do Instituto das Filhas de Santa Maria da Providência.

Venerável Giustino Maria Russolillo, italiano, (1891-1955), sacerdote, pároco de Pianura e  fundador da Sociedade  das  Divinas Vocações.

Venerável Serva de Deus Maria Serafina do Sagrado Coração de Jesus (no século: Clotilde Micheli), italiana, (1849-1911), fundadora do Instituto das Irmãs dos Anjos.

Venerável Serva de Deus Alfonsa Clerici, italiana, (1860-1930), religiosa professa da Congregação das Irmãs do Preciosíssimo Sangue de Monza.

Venerável Serva de Deus Cecilia Eusepi, italiana, (1910-1928), da Terceira Ordem Secular dos Servos de Maria.

Também se reconheceu o martírio de:

Servo de Deus Janos Scheffler, húngaro, (1887-1952), bispo de Satu Mare (Romênia).

Servos de Deus José María Ruiz Cano, Jesus Aníbal Gómez Gómez, Tomás Cordero Cordero e 13 companheiros da Congregação dos Missionários Filhos do Coração Imaculado da Bem-aventurada Virgem Maria; assassinados por ódio à fé durante a perseguição religiosa na Espanha em 1936.

Servos de Deus Carmelo María Moyano Linares e 9 companheiros da Ordem  Carmelita; assassinados por ódio à fé durante a perseguição religiosa na Espanha em 1936.

Servos de Deus Johannes  Prassek  e 2 companheiros, sacerdotes diocesanos, assassinados por ódio à fé em Hamburgo (Alemanha), em 10 de novembro de 1943.

Serva de Deus Marguerite Rutan, francesa, religiosa professa da Congregação das Irmãs Filhas da Caridade de São Vicente de Paula, nascida em 1736 e assassinada em 1794.

Depois de obras de restauração Cristo Redentor é reaberto à visitação pública

fonte: ACI
.- Com uma bela manhã ensolarada, típica do Rio de Janeiro, foi entregue de volta à Cidade o seu maior símbolo e protetor: o Cristo Redentor. A imagem, um dos principais pontos turísticos da capital carioca, foi reaberto à visitação na manhã de ontem, 30, depois de passar por obras de restauração que duraram quatro meses. À noite, o monumento ganhará iluminação verde e amarela para saudar, durante sete dias, a seleção brasileira que participa da Copa do Mundo na África do Sul. O monumento completa 80 anos em 2011.

Segundo a informação divulgada pela Agência Brasil, durante as obras, os técnicos identificaram vazamentos que afetavam a capela localizada na parte inferior do Cristo Redentor. Foram retirados cerca de 300 litros de água do interior de cada braço da estátua. Somente para esse reparo foram usados mais de 300 bolsas de cimento.

Além disso, foi necessário repor mosaicos de pedra-sabão que revestem o monumento. Foram utilizadas mais de 60 mil pedras, informou Fábio Espínola, diretor executivo da Vale, parceira da Arquidiocese do Rio de Janeiro no processo de restauração da estátua, uma das sete maravilhas do mundo moderno.
Por outro lado o engenheiro Clezio Dutra afirmou que a estrutura do monumento foi refeita para protegê-lo de raios.

O Secretário Geral da CNBB e Bispo Auxiliar da Arquidiocese do Rio, Dom Dimas Lara Barbosa, presidiu a Celebração Eucarística em Ação de Graças ao Monumento do Cristo Redentor e por todos aqueles que trabalharam para que essa obra fosse concretizada.

- Como é bonito ver que o talento do ser humano se alia à beleza da própria criação, para nos oferecer um Monumento singular de arte e de fé, destacou o Bispo.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Palavra do Coordenador

SOU UM ESTRANGEIRO AQUI NESTA TERRA!

texto: Cassio José (membro da RCC, coordenador do Grupo de Oração Renascer)

Partindo do pressuposto de que viemos de Deus e para Deus voltaremos, e de que o céu, morada dos santos, daqueles que são lavados e remidos pelo sangue do Cordeiro, uma vez que aceitaram Jesus de Nazaré como seu único Senhor e absoluto Salvador, é a habitação de Deus e nós, sendo filhos adotivos desse Deus maravilhoso, com a Salvação realizada na cruz por Jesus, temos herança e direito dessa nova Canaã, o céu, podemos afirmar essa verdade: “Nós somos estrangeiros aqui nesta terra perversa e corrupta”.

Meu querido, nossa cidadania não é aqui. Aqui não é o nosso lugar e moradia definitiva. Nascemos do alto e para o alto voltaremos. Esse “vale de lágrimas” (como rezamos na oração mariana denominada de Salve Rainha), não é desejo de Deus para a nossa vida. Nós temos uma pátria: o céu! Se lá é a moradia de Deus, embora sendo Deus onipresente, e se somos seus filhos, e onde mora o pai mora o filho, então, evidentemente, o nosso lugar é o céu. Consequentemente, somos estrangeiros e não moradores deste mundo!

Olhemos para a história do povo de Israel: Deus chama Abraão (Gn 12), promete-lhe uma descendência grandiosa e incontável, mais numerosa que as estrelas do céu e a areia do mar, e lhe confere a promessa de uma terra prometida. Diz as Sagradas Escrituras que Abraão percorria de “acampamento a acampamento” (Gn 12, 9), rumo a terra prometida, Canaã.

Quando o povo de Israel é liberto das mãos do faraó através de Moisés, eles peregrinam pelo deserto, direcionados a terra prometida. Antes de nela chegarem e tomarem posse, há todo um processo preparativo ao se estabelecerem em Canaã: uma vez na escravidão, vislumbram a manifestação poderosa da destra de Deus com as 10 pragas, eles comemoram o memorial rito da Páscoa, atravessam o mar vermelho a pé enxuto, e no deserto Deus os alimenta com o maná que descia do céu e faz uma aliança com o Decálogo... Muitos conflitos internos e externos, guerras e vitórias, muitas vezes retorno ao paganismo, politeísmo e idolatria. Mas a misericórdia de Deus é maior e, finalmente, chega o tempo de entrarem e tomarem posse da terra de Canaã e a palestina, liderados com o guerreiro Josué.

Juventude e velhice

Autor: Gaudium Press -

Padre Fernando Gioia faz uma emocionante reflexão a respeito da velhice e mostra que do ponto de vista cristão ficar velho não é motivo de tristeza. Segundo o sacerdote, o cristão acredita na alma e que ela dá à existência do homem um caráter que transcende esta terra.

Um dos grandes temores que angustiam os homens sem fé, fora de dúvida, é o medo de envelhecer. A visão materialista reduz a vida humana a uma mera questão fisiológica, negando-lhe os aspectos metafísicos e sobrenaturais. Tomando esse ponto de vista, haverá maior desgraça do que ficar velho? 
O Cristianismo, pelo contrário, reconhece esta suprema realidade que é a alma e dá, assim, à existência do homem um caráter que transcende esta terra e se volta para a eternidade. Há razões para viver maiores que a própria vida.

O lugar do Islã no plano de salvação? Remeter Deus ao centro!


Entrevista com o famoso islamólogo Pe. Samir Khalil Samir
Por Mirko Testa

Diante de uma modernidade que tende com frequência a esquecer ou mesmo excluir Deus do horizonte dos homens, o papel confiado ao Islã no plano da Salvação poderia ser o de estimular a remeter a fé ao centro da vida É o que pensa Pe. Samir Khalil Samir, sacerdote jesuíta e relator geral do Sínodo Especial para o Oriente Médio, a ser realizado em outubro deste ano no Vaticano. Nesta entrevista , Pe. Samir aprofunda a questão do papel da cultura islâmica no mundo contemporâneo.
Doutor em teologia oriental e Islamologia, Pe. Samir leciona ciências da religião na Université Saint-Joseph de Beirute e é professor de estudos islâmicos junto ao Pontifício Instituto Oriental de Roma e em outras universidades.
É ainda fundador e diretor do CEDRAC (Centre de documentation et de recherches arabes chrétiennes), com sede em Beirute, único centro no mundo dedicado integralmente ao estudo da cultura árabe mantido por cristãos.
Porque o tema central do encontro da Oasis foi a educação?
Padre Samir: O problema que hoje vivemos, seja na Igreja, seja no Islã, é que nem sempre conseguimos transmitir a fé às novas gerações. A pergunta que nos fazemos é: de que maneira devemos repensar a fé para os jovens – também nas paróquias e mesquitas, nos discursos dirigidos a seus fiéis?
É isso o que pretendemos: fazer uma avaliação de qual é, no Líbano, a experiência cristã, a experiência muçulmana sunita e a experiência muçulmana xiita neste âmbito. Queremos comparar, colher as dificuldades comuns e buscar respostas em conjunto. Creio que este seja o objetivo primordial de nosso encontro, em vista de um diálogo entre as culturas de fé cristã e de fé muçulmana.
Que efeitos poderiam ser produzidos nos mundos cristão e muçulmano com o desaparecimento das Igrejas do Oriente Médio?
Padre Samir: O desaparecimento das Igrejas no Oriente Médio seria, em primeiro lugar, uma perda para toda a cristandade pois, como dizia João Paulo II, a Igreja tal qual vivida por cada ser humano conta com dois pulmões, o oriental e o ocidental. Ora, as Igrejas orientais tiveram sua origem aqui na Terra de Jesus, nos territórios do Oriente Médio por onde Cristo passou. E se essa experiência, estes milênios de tradição forem perdidos, a perda será de toda a Igreja.
Mas não é só: se os cristãos deixarem o Oriente Médio, faltaria aos muçulmanos justamente aquele elemento de diversidade que os cristãos oferecem. Diversidade de fé, porque os muçulmanos nos perguntam todos os dias: “o que querem dizer ao afirmar que Deus é trino? Isto nos parece contraditório”. E nós dizemos “o que querem dizer quando afirmam que Maomé é um profeta? Quais são os critérios que para vocês definem um profeta? E o que significa dizer que o Corão é de Deus? Em que sentido vocês afirmam descender de Maomé? Nós cristãos dizemos que a Bíblia é de inspiração divina porém mediada por autores humanos, mas, para os muçulmanos, não há mediação com Maomé.
Questionamentos como estes oferecem ainda um estímulo para a civilização e para a sociedade civil. Seria uma grande perda porque há o risco de assim erigir uma sociedade, um Estado, baseado na sharia como ocorreu no século VII na região da Península Arábica, ainda que para os muçulmanos a sharia é genérica e permaneça válida para todos os séculos e todas as culturas.
Este é o principal desafio do Islã: como pensar o Islã hoje? A ausência dos cristãos tornaria este problema ainda mais difícil.
Poderá haver um Iluminismo para o Islã?

A ousadia da santidade em um mundo sedento de ‘liberdade’ e nostálgico de certezas e da verdade.


por: Carlos Alberto Di Franco – O Estado de S.Paulo

Paul Johnson é um dos grandes historiadores e intelectuais da atualidade. Colaborador da revista britânica The Spectator, seus textos são provocadores. Dono de uma cultura invejável e sinceridade afiada, Johnson não sucumbe aos clichês vazios. Em seu livro Os Heróis, destaca a importância das lideranças morais.
“Os heróis”, diz, “inspiram, motivam.Eles nos ajudam a distinguir o certo do errado e a compreender os méritos morais da nossa causa.” Os comentários de Johnson trazem à minha memória um texto que exerceu forte influência no rumo da minha vida: Amar o Mundo Apaixonadamente, homilia proferida por São Josemaría Escrivá, fundador do Opus Dei e primeiro grão-chanceler da Universidade de Navarra, durante missa celebrada no câmpus daquela prestigiosa instituição.

Ficha Limpa. 90% de contribuição da Igreja Católica.




Presidente da CNBB agradece participação dos católicos na nova lei
O presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Dom Geraldo Lyrio Rocha, agradeceu os católicos pela grande participação no processo que resultou na Lei Ficha Limpa, norma que torna inelegíveis já nas eleições deste ano políticos condenados em decisão colegiada
Em coletiva de imprensa na sede da CNBB em Brasília, Dom Geraldo Lyrio destacou a ação da Igreja no Brasil, que contribuiu com 1,6 milhão de assinaturas para a aprovação da lei de iniciativa popular.
“A ação da Igreja Católica foi indispensável para a aprovação da Lei Ficha Limpa, pois contribuímos desde as comunidades até as paróquias e dioceses, o que em números significa 90% da contribuição, dados que nos orgulham muito”, disse o presidente da CNBB.
Dom Geraldo afirmou que a Igreja vai acompanhar o trabalho dos Tribunais, mas que agora está nas mãos da Justiça determinar quem está apto ou não para disputar o pleito.
“Ficha Limpa não é mais uma campanha, mas uma lei que agora está nas mãos da Justiça. A CNBB através da Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP), no entanto, vai continuar acompanhando os trabalhos dos Tribunais, que com certeza serão exercidos com grande competência”, disse.
Sobre as eleições deste ano no Brasil, o prelado afirmou a Igreja espera “uma corrida eleitoral justa e democrática, com respeito ao diferente e à diversidade de nosso país. Ao eleitor, pedimos que avalie bem os candidatos e lembramos que o processo eleitoral não termina ao confirmar o voto, mas continua ao longo dos mandatos”.
Em outubro, os brasileiros vão às urnas para eleger o presidente da República (e o vice), governadores dos Estados e do Distrito Federal (e seus vices), 54 senadores (dois em cada Unidade da Federação), deputados federais e estaduais.

terça-feira, 29 de junho de 2010

O exemplo dos Santos Pedro e Paulo guie o caminho da Igreja, foram os votos do Papa antes da recitação do Angelus, com uma saudação aos arcebispos que receberam o sagrado palio

Autor: Rádio Vaticano 
 
O exemplo dos apóstolos Pedro e Paulo ilumine as mentes e acenda nos corações dos crentes o santo desejo de fazer a vontade de Deus, para que a Igreja peregrina sobre a terra seja cada vez mais fiel ao seu Senhor.
Foi a invocação proferida por Bento XVI antes da recitação do Angelus, da janela dos seus aposentos, pouco depois da celebração da Missa na Basílica de S. Pedro para a solenidades dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo.
Os dois Santos Patronos de Roma, embora tenham recebido de Deus carismas diferentes e missões diferentes, ambos são fundamentos da Igreja una, santa, católica e apostólica. Por isso, durante a Santa Missa desta manhã , entreguei a 38 arcebispos metropolitas o palio, símbolo da comunhão com o bispo de Roma e da missão de apascentar com amor o único rebanho de Cristo.
Bento XVI não deixou de agradecer de coração a delegação do Patriarcado ecuménico, presente nas celebrações dos Santos Pedro e Paulo, a testemunhar - sublinhou - o laço espiritual entre a Igreja de Roma e a Igreja de Constantinopla.
Depois da recitação do Angelus proferiu saudações em várias línguas endereçadas de maneira particular aos arcebispo que receberam das suas mãos o Palio.
Estas as suas palavras em português. 
Uma cordial saudação para os Arcebispos Metropolitas de Angola e do Brasil que acabaram de receber o pálio, e também para os familiares e amigos que os acompanham: A Santíssima Virgem guie e proteja maternalmente a cada um deles e ao Rebanho que lhes foi confiado. 
 

AS ARMAS CONTRA O INIMIGO

Na Bíblia e na vida dos santos encontramos muitas dicas interessantes e práticas sobre como lutar contra as artimanhas do maligno. Erra quem subestima esta criatura do mal que existe e age. Erra quem imagina que o mal é apenas o fruto de nossos erros e falhas. Não se trata de uma “energia negativa” ou algo parecido. Segundo a doutrina católica o inimigo de Deus existe e precisamos estar atentos às suas artimanhas.
O Demônio é o príncipe das trevas e o pai da mentira. Ele gosta de coisas feitas às escondidas. Por outro lado, não suporta a verdade e a luz. O melhor exorcismo, portanto, é abrir-se com o diretor espiritual, o confessor, ou com uma pessoa de confiança. Você já percebeu que quando estamos em uma situação difícil preferimos mais ficar sozinhos, no escuro, calados, ensimesmados? É um prato cheio para o maligno. Ele é a incoerência em pessoa. Primeiro se aproxima de nós como sedutor e diz que não tem problema, é normal, nem é pecado… Depois que caímos na tentação ele muda de atitude. De sedutor passa para acusador. Diz que aquilo que fizemos é horrível, que é um grande pecado, que não merecemos mais o céu, que viver nem vale a pena, que melhor seria morrer. Tudo errado. Não era tão bom antes e não tão ruim agora. O que precisamos é mudar de vida. Deus é um pai que está sempre de braços abertos. Mas o inimigo apaga as luzes para que não percebamos a misericórdia de Deus.
O que precisamos fazer nesta hora é acender a luz… e não haverá mais lugar para as trevas; precisamos contar a verdade… e não haverá mais lugar para a mentira. É por isso que o sacramento da confissão é um grande momento de cura e libertação. Procure um sacerdote e conte seu pecado sem rodeios nem maquiagem. Tem gente que enfeita tanto o pecado que no final dá vontade de elogiar e não de absolver.
Precisamos nos antecipar a satanás. Podemos contar até mesmo a tentação que estamos sofrendo. É claro que devemos encontrar alguém de confiança. Não precisamos dar testemunho diante das câmeras e das multidões. É ingênuo mostrar sua intimidade para toda a comunidade. O próprio Jesus reconheceu o valor destes níveis de intimidade quando ensinou que devemos corrigir o irmão primeiro em particular. Somente se ele não aceitar devemos procurar mais alguém e falar em dois. De qualquer maneira colocar as “cartas na mesa” sempre é uma ótima forma de afastar aquele que se diverte com nossas fraquezas e tribulações.
Pe. Joãozinho, scj
fonte: blog.cancaonova.com/padrejoaozinho
 Enviado por Dysnei Thaim

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Vocação João Batista: Chamado de Deus!



Por : Moisés Rocha -Pregador e fundador da Comunidade Resgate  
Em breve na Cidade de Camocim pregando no 2° Congresso Paroquial, dias 27 e 28 de Agosto de  2010 . Aguardem!
 fonte : http://www.comunidaderesgate.com.br

Somos chamados por Deus a sermos profetas, e como profetas, sermos servidores. O servidor é o menor de todos, seguindo o exemplo de Jesus e de Maria, que morrendo para si, renunciando-se, geraram vida. “O filho do homem, deu a sua vida em resgate a todos...”

Somos chamados a viver em disposição e maleabilidade à vontade de Deus, buscando ser irmão de Jesus, que vive e sofre nos mais pobres, desesperado e outros tantos, amando-os. Somos chamados a contemplar a manifestação do “poder de Deus” na vida das pessoas com nossos próprios olhos, como resposta do nosso amor e da nossa entrega, como herdeiros regenerados. Somos filhos do céu, peregrinos nesta terra, sinais de contradição entre os pagãos, presença de profeta, essência de cura e libertação, vivendo como holocaustos vivos e agradáveis a Deus, a Jesus e aos irmãos.

Tomamos a nossa cruz diariamente, entregando-se, participando através do nosso Carisma e do nosso ministério, da ação salvífica de Jesus, na alegria de sermos parte especifica da Igreja de Deus, em comunhão com a Igreja Celeste Triunfante, encarnando a tríplice missão dada a nós no batismo.
“Pelo batismo, somos constituídos Sacerdotes, Profetas e Reis”. (CIC 783);

Sacerdotes = Todos os dias oferecendo os nossos sacrifícios de louvor e ação de graças, através da oração e do trabalho. Testemunhando a vontade de Deus ao mundo, celebrando ritos de amor e de liturgia, na espiritualidade e na vida fraterna.
“ Cristo adquire para si um povo dentre os que não eram um povo, mas uma raça eleita, um sacerdócio régio, uma nação santa”. (I Pd 2,9);

Profetas = Porque anunciamos o tempo de Deus que é hoje, aqui e agora, tempo de preparar o caminho, tempo de conversão, de penitência e de vida nova. Anunciamos não o que pensamos, mas uma verdade expressa na palavra de Deus, que é viva e eficaz, e que passa por nós. Não somos nós que falamos, é Deus quem fala através de nós.
“ Os Leigos sentem chamados a colaborar com os pastores, exercendo ministérios diversos, segundo a graça e os carismas que o Senhor quis depositar neles”. ( Encíclica Evangeliun Nuntiandi).

Reis = Reinando sobre as coisa criadas, contemplando a beleza do Criador, co-criando com Ele através das labutas e dos trabalhos cotidianos, realizando as obra que Ele fez e mais ainda , realizando-as em Seu Nome, como herdeiros do sacrifício da cruz, raça eleita, povo Santo, a imagem e semelhança do Criador.
“Uma voz clama no deserto: preparai o caminho do Senhor, endireitai suas veredas. Todo o vale será alterado, e todos montes serão arrasados.” (Luc3-,4-6)

Se você ainda não sabe o que Deus quer de você e se sente atraído por uma vida comunitária, venha nos conhecer !!!!

Pesar do Papa pela tragédia das enchentes no nordeste brasileiro

CNBB pede “soluções estruturais”

BRASÍLIA, segunda-feira, 28 de junho de 2010 (ZENIT.org) – Bento XVI expressou sua proximidade às populações do nordeste brasileiro atingidas pelas fortes chuvas e enchentes da semana passada, em que 53 pessoas morreram.
Na quinta-feira, o secretário de Estado vaticano, cardeal Tarcísio Bertone, enviou em nome do Papa um telegrama de solidariedade ao bispo da diocese de Palmares (Pernambuco), Dom Genival Saraiva de França.
Bento XVI “exprime sentidas condolências pelas vítimas e cordial participação na dor das famílias, invocando para estas e feridos e despojados de seus bens, conforto do Senhor e solidariedade humana”.
O Santo Padre “confia à misericórdia divina alma dos falecidos e envia como sinal de solidariedade com todos que sofrem e estímulo para quem lhes socorre, sua bênção apostólica”.
Segundo a Secretaria Nacional de Defesa Civil, no Estado do Pernambuco há 26.797 desabrigados e 53.523 desalojados. Em Alagoas, 26.618 desabrigados e 47.897 desalojados. Ao todo, 53 pessoas morreram e 87 municípios foram atingidos pelas enchentes: 59 em Pernambuco e 28 em Alagoas.
CNBB
Na sexta-feira, a CNBB divulgou nota em que afirma que os bispos acompanham “com muita dor e pesar as notícias que nos chegam sobre as enchentes”.
“Além das vítimas anunciadas pelos meios de comunicação, há milhares de pessoas sofredoras, cujos corações estão despedaçados pelas perdas irreparáveis de entes queridos, de postos de trabalho, de seus pertences, suas propriedades, suas casas e tantos outros valores afetivos e culturais que não podem ser calculados.”

AINDA ESPORTE

 texto: Pe. Zezinho

Existe o esporte, a macro-multinacional, as macro-indústrias dele oriundas e a ele coladas, as micro-indústrias, os macro-interesses, os micro-interesses, os milhares de produtos, os milhões de vendedores, os milhões de empregos nos vestiários e no campo, nas fábricas, nas emissoras de rádioe televisão, nos jornais... E ao esqueçamos as torcidas organizadas, e os estádios, as associações, e os milhões de jogadores.
Gigantesco e pantagruélico o esporte chamado futebol atinge desde o pequeníssimo torcedor que já ensaia um chute na bola do seu tamanho ao ancião que discute apaixonado o último pênalti contra o seu clube. Bom sob muitos aspectos, com potencial para aproximar e educar, ele é também um esporte que gera paixões. Por isso o quebra-quebra, as brigas de rua, os assassinatos, os colossais desvios de verba, a mentira, o fingimento, o vale-tudo para por a mão na teça, os preços astronômicos de um bom jogador e todos os graves desvios de um esporte que tinha apenas como objetivo fazer correr, congraçar e alegrar uma comunidade.
Virou indústria e foi longe demais. Chega a mandar em governos e exigir gastos de bilhões de dólares ou euros, dinheiro que faz falta para hospitais e habitação popular. Mas o espetáculo não pode parar... Há pelo menos dez países com estrutura suficiente para abrigar uma Copa do Mundo, mas países pobres ou emergentes mergulham na aventura de sediá-la e assim ganhar mais visibilidade. O gasto é ciclópico e não está dito que traz lucro para o país que o sediou.
Mas são tantos os interesses que ficais impossíveis se imaginar um controle desse esporte. A pergunta pode ser incômoda e até despropositada, mas deve ser feita: O futebol ainda é um esporte?

domingo, 27 de junho de 2010

LITURGIA DE DOMINGO

XIII Domingo Comum - Ano C 

1Rs 19,16b.19-21
Sl 15
Gl 5,1.13-18
Lc 9,51-62

Não há coisa mais radical e louca que ser cristão; não há maior aventura... Pena que os cristãos estejam perdendo essa percepção e o Evangelho muitas vezes apareça como algo certinho, cômodo e domesticado. Tantas vezes considerou-se que para ser um bom cristão bastaria ser bem comportado! Ora, não é isto que a Palavra do Senhor nos ensina!
Jesus durante toda a sua vida caminhou para o Pai, teve no Pai sua única meta, pelo Pai e o seu Reino, fez loucuras. Por isso, já no capítulo nove do seu evangelho, São Lucas no-lo apresenta subindo para Jerusalém, para sua partida para o Pai: “Quando chegou o tempo de Jesus ser levado para o céu, então tomou a firme decisão de partir para Jerusalém”. Ao pé da letra, são Lucas diz: ele voltou decididamente o rosto para Jerusalém... Este é o caminho de Cristo: ir subindo até a Cidade Santa, e de Jerusalém, para o Pai, atravessando o mistério da paixão, da cruz e da morte, para chegar à ressurreição. Ele vai à frente, no caminho, o seu caminho, e nos desafia a segui-lo. Quem quiser ser seu discípulo, deve segui-lo neste caminho! Basta recordar o domingo passado: deixar tudo... renunciar-se... tomar a cruz de cada dia... e segui-lo. Hoje, no caminho, ele nos previne: “As raposas têm tocas e as aves do céu têm ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. E exige que coloquemos tudo abaixo dele, até pai e mãe... É assim que Jesus quer seus discípulos: totalmente comprometidos com ele, absolutamente! E afirma claramente: “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está pronto para o Reino de Deus”.
Jesus é tão claro! Ele exige tanto de nós porque somente ele nos pode dar tudo: o sentido da vida, o amor de Deus, a paz verdadeira e perene e a vitória sobre a morte. Ele nos revela e nos dá um Deus que é todo amor, todo carinho, todo perdão, todo piedade, um Deus que é o rochedo de nossa existência. Mas, também, um Deus exigentíssimo! Não se pode ser cristão pela metade! São Paulo, na segunda leitura de hoje, exprime muito bem esta realidade: Cristo nos libertou para a liberdade de uma vida nova, vida na graça de Deus, vida impulsionada pelo Espírito do Ressuscitado. É esta a liberdade do discípulo de Jesus; uma liberdade diversa do conceito de liberdade que o mundo apregoa. O cristão é livre não porque faz o que quer; é livre porque quer somente a vontade de Deus manifestada em Cristo Jesus: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou!” E, aí, o Apóstolo nos previne: “Não façais dessa liberdade um pretexto para servirdes à carne”. “Carne” é tudo quanto pertence ao homem velho, tudo quanto manifesta o velho egoísmo de uma vida centrada em si mesmo e não em Deus, que se dá no Cristo Jesus! “Carne” é tudo aquilo que é lógica deste mundo e não lógica do Evangelho! Pode ser a lógica da ganância, da sensualidade e da imoralidade, da religião interesseira à procura de milagres, curas e benefícios materiais... tudo isso é carne: a descrença, a impiedade, a vulgaridade e o comodismo no modo de viver...

"NÃO TENHO OURO NEM PRATA, MAS O QUE TENHO EU TE DOU".

Certamente o amigo que está lendo este artigo deve ter percebido o que desejamos aqui abordar! Desejo promover um reflexão sobre a realização de serestas com venda de bebidas alcoólicas em festas de Padroeiro, uma atitiude no mínimo incoerente.

Se você é uma pessoa que gosta de cerveja, deve ter sentido uma ira momentânea e vontade de me esganar; se você faz parte de algum movimento da Igreja Católica e busca sinceramente o Senhor, deve ter achado pesado o que está lendo, mas concorda parcialmente com tais colocações... O fato é que acolherá positiva ou negativamente contra ou a meu favor. 
No entanto, sabendo que, “não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares.” (Ef 6,12), e que, “O que Deus deseja é que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade.” (I Tm 2,4), a objetividade deste artigo, é apenas uma reflexão bíblica do que aconteceu na noite das Festividades de São Pedro neste dia 26 de junho, com a atitude em colocar uma seresta na programação do festejo. O que quero com isso, é que entendam e acolham como uma crítica profética e construtiva, para evitar tal proceder no ambientes e momentos sagrados da Igreja, que São Pedro, certamente, tampou os ouvidos e fechou os olhos naquela noite! (Se São Pedro fez isso, quanto mais o Senhor e Salvador Jesus Cristo!). Deixo bem claro que não tenho por objetivo levantar uma cultura de ódio contra os membros do Conselho de São Pedro, nem criar rivalidades com ninguém, bem embora, tenho consciência do que está por vir contra a minha atitude de denúncia. A final de contas: “Se os bons combates eu não combater, minha coroa não conquistarei... Se perseguido aqui eu não for, sinceramente um cristão não sou”.

Novos vídeos do filho de Edir Macedo tem mensagens subliminares e ligação com o satanismo. Igreja Universal confirma ser Moyses

Fonte: gospel+

O filho caçula do bispo Edir Macedo, que foi adotado quando ainda era criança, possui um canal no youtube. Criado em novembro de 2006, o canal tem fundo preto com vários “x” em branco. O título do canal é Illuminati e há uma imagem de uma pirâmide, que, segundo o ocultismo, é a representação do céu com a terra.
O nome Illuminati tem várias significações. De acordo com historiadores essa seita está ligada ao Satanismo, pois tem a ambição de impor a “Nova Ordem Mundial”, onde aparentemente todas as pessoas são iguais perante o governo, porém são comandadas por líderes que fizeram pacto com o diabo.



Embora a página tenha 4 anos, foram postados apenas cinco vídeos, o mais antigo foi postado há um mês. Por isso é possível que Moyses tenha apagado outros vídeos anteriormente postados. Em um vídeo intitulado “Fantasy”, em preto e brando Moyses aparece sentado possivelmente em um banheiro e está sem camiseta. Com uma música onde se ouve apenas o cantor balbuciando, provavelmente o áudio está de trás para frente, Moyses olha para a câmera fazendo expressões sensuais. Em quadros de menos de 1 segundo mostram-se símbolos ligados ao Satanismo, como a estrela de cinco pontas com a cara do diabo, um triângulo com um olho dentro e outra cara de diabo.

Quem fundou “sua” igreja?

Uma relação Abaixo que fala por sí só.



Ano Denominação Origem Fundador


~33 Fundação da Igreja Católica Palestina Jesus Cristo


~55 Igreja Católica se fixa em Roma, com Pedro e Paulo

1054 Igreja Ortodoxa Constantinopla Miguel Cerulário

O cientista que crê em Deus.

fonte: iG



Quando foi convocado para substituir o biólogo James Watson – um dos descobridores da estrutura de dupla hélice do DNA – na liderança do recém criado Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano, em 1993, o geneticista Francis Collins já era um pesquisador conhecido e já havia descoberto a localização de genes responsáveis por três doenças importantes: fibrose cística, distrofia muscular de Duchenne e doença de Huntington.
Dono de um currículo impecável dentro do mundo científico e de um entusiasmo contagiante em relação a tudo o que se refere à genética, Collins foi encarregado de encabeçar um consórcio público integrado por centros de pesquisa norte-americanos, britânicos, franceses, alemães e japoneses – o chineses vieram mais tarde – com a tarefa hercúlea de seqüenciar todos os três bilhões de pares de bases que constituem o DNA humano.









Foto: Divulgação



O médico Francis Collins em seu laboratório de pesquisas: reconciliação com Deus


Entre 1995 e 1999, Collins e sua equipe protagonizaram, com a Celera Genomics, do cientista Craig Venter, uma competição acirrada pela primazia no anúncio do seqüenciamento completo do “mapa da vida”. A corrida entre os consórcios público e privado culminou com um anúncio em conjunto, na Casa Branca, de que o Genoma Humano estava finalmente completo e pertencia, a partir dali, a toda a humanidade.